tabela de jogos da copa

Objetivo

Aumentar o investimento privado em inovação

grafico-aumentar-investimento-privado.png
Iniciativas
  1. Aperfeiçoamento do marco regulatório de PD&I
  2. Promoção de um ambiente concorrencial
  3. Aperfeiçoamento de políticas de P&D compulsório de setores regulados, como energia elétrica, petróleo e gás, e informática
  4. Facilitação do acesso e redução de custo de insumos e tecnologias importadas sem similar nacional

 

Foram realizadas 13 ações para alcançar esse objetivo: 

  • 10 ações de defesa de interesses;
  • 3 ações de geração de conhecimento.

 

AÇÕES DE DEFESA DE INTERESSES
Ação 1: Defesa da aprovação com aprimoramento do PLS 226/2016 (marco legal de CT&I)

A CNI defendeu a aprovação, com aprimoramentos, do PLS 226/2016 que reapresenta conteúdos que foram vetados na Lei nº 13.243 de 2016, do marco legal de CT&I. Essa matéria é relevante, pois a atual redação da Lei nº 13.243 de 2016, por conta dos vetos que sofreu, gera condições desiguais entre ICTs públicas e privadas para contratação de pesquisadores. Além da atuação no Congresso Nacional, foi realizada a defesa do PLS em diversos fóruns de inovação, com o objetivo de agregar parceiros na defesa do tema.

 

Ação 2: Contribuições para a Política Nacional de Inovação (PNI) e para a elaboração da Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PNCTI)

A CNI apresentou ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) suas contribuições para a Política Nacional de Inovação (PNI) e para uma agenda nacional de ciência, tecnologia e inovação, mediante resposta às consultas públicas realizadas pelo Ministério. Em 28/10/2020, foi lançado o Decreto nº 10.534, que institui a Política Nacional de Inovação (PNI) e cria a Câmara de Inovação, sua instância de governança. Em resposta ao decreto, que, entre outros aspectos, não contemplou a adequada participação do setor empresarial nos processos decisórios, a CNI e a ANPEI trabalharam conjuntamente na elaboração de um documento único de posicionamento do setor empresarial. Além das instituições autoras, contribuíram com o documento especialistas nas áreas de políticas públicas e CT&I e entidades representativas da academia.
Ao longo de 2022, a CNI/MEI atuou em favor da elaboração da Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PNCTI), com participação do setor empresarial nos fóruns decisórios. Com esse objetivo, participou nas discussões realizadas no âmbito do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT) para a definição da nova PNCTI, o que resultou em uma nova proposta, alternativa à versão preliminar submetida pelo governo, apoiada por integrandes do ecossistema de inovação. 

 

Ação 3: Eventos para debater o futuro da CT&I no Brasil 

Com o objetivo de envolver as empresas e instituições parceiras no debate sobre o futuro da CT&I no Brasil, a CNI abordou o tema em dois Diálogos da MEI: 29º (28/9/2020) e 31º (10/12/2020). Esses eventos contaram com a presença do ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação e seus secretários responsáveis pelo processo de construção da ENCTI e da PNI, além de empresários e especialistas em políticas de CT&I, para debater e contribuir com as ações do governo federal.

 

Ação 4: Propostas prioritárias para os 100 Primeiros Dias de Governo | Garantir a Autonomia Financeira do INPI 

A CNI elaborou proposta para “Implementar uma política industrial", apresentada no documento “Propostas Prioritárias para os 100 Primeiros Dias de Governo”, entregue ao presidente eleito Lula. A CNI defende uma política industrial moderna, com foco em ciência, tecnologia e inovação, aderente ao cenário atual e às melhores práticas internacionais.  
A CNI elaborou a proposta “Garantir a Autonomia Financeira do INPI”, apresentada no documento “Propostas Prioritárias para os 100 Primeiros Dias de Governo”, entregue ao presidente eleito Lula. Na proposta, a CNI apresentou minuta de norma para transformar o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) em uma Agência, de modo a garantir a sua autonomia financeira e assegurar a modernização de seus procedimentos, com base em padrões e boas práticas internacionais. 

 

Ação 5: Participação do Grupo Técnico para revisão do arcabouço normativo de Propriedade Intelectual do Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual (GIPI)

A CNI participou do Grupo Técnico para revisão do arcabouço normativo de Propriedade Intelectual do Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual (GIPI), presido pelo extinto Ministério da Economia. O objetivo do GT foi identificar pontos que necessitassem de atualização legal em relação a: ativos de Patentes, Marcas, Desenhos Industriais, Indicações Geográficas e Contratos de Transferência de Tecnologia. No âmbito das reuniões do GT, a CNI contribuiu com a elaboração de propostas para estimular o patenteamento no Brasil, melhorar e modernizar o sistema de patentes e aprimorar os procedimentos de transferência de tecnologia. A CNI também defendeu no âmbito do GIPI a priorização de medidas que garantiriam a Autonomia Financeira do INPI, realizando reuniões com o Ministério da Economia (ME). Como resultado, o tema ganhou destaque na mídia e no governo. Outro resultado importante para melhorar o sistema de PI foi o depósito da adesão do Brasil ao Acordo de Haia

 

Ação 6: Defesa na ANP da alteração na Regulamentação da cláusula de P&D do setor de petróleo e gás

A CNI e a Embrapii defenderam na ANP a alteração na Regulamentação da cláusula de P&D do setor de petróleo e gás, com o objetivo de proporcionar maior efetividade ao instrumento.
DI: Articulação com Câmara, Senado, CAPES e CNPq sobre MP que alterava o dispositivo legal das cláusulas de P&D do setor de petróleo e gás, com o objetivo de proporcionar maior efetividade ao instrumento.

 

Ação 7: Adequação da Lei de Informática

Diante da condenação do Brasil na OMC pelo uso da Lei de informática, a CNI vem atuando na articulação com associações setoriais e representantes do Poder Executivo para adequar a Lei de informática às diretrizes apontadas, com o menor prejuízo à indústria.

 

Ação 8: Atuação para a criação de uma nova Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PNCTI), com participação do setor empresarial 

Em 2022, a Mobilização Empresarial pela Inovação atuou para a criação de uma nova Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PNCTI), com participação do setor empresarial nos fóruns decisórios. Para isso, atuou diretamente nas discussões realizadas no âmbito do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT) para a definição da nova PNCT e do PL do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI).

 

Ação 9: Aprimoramento da proposta de Projeto de Lei que instituiu o marco legal do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI)

A CNI/MEI contribuiu com sugestões para o aprimoramento da proposta de Projeto de Lei que instituiu o marco legal do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI). Um texto preliminar foi elborado pelo Minsitério de Ciência, Tecnologia e Inovações e a CNI/MEI participou dos debates para aprimoramento da proposta realizados no âmbito do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia.

 

Ação 10: Propostas da indústria para as eleições 2022 | Política Industrial: Construindo a Indústria do Futuro

A CNI elaborou o documento nº 1 “Política Industrial: Construindo a Indústria do Futuro”, da série Propostas da indústria para as eleições 2022, entregue aos candidatos à presidência. O documento apresenta as características das políticas industriais contemporâneas, que buscam potencializar os ganhos de produtividade e os investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação da indústria. 

 

AÇÕES DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTO
Ação 11: Estratégia de influência e disseminação das posições da CNI sobre o marco regulatório de PD&I 

Como parte da estratégia de influência e disseminação das posições da CNI sobre o marco regulatório de PD&I, foram elaborados e divulgados os documentos “O ESTADO DA INOVAÇÃONO BRASIL MEI 2018 - Marco Legal de Inovação” e“Destaques de Inovação - Isenções Tributáriaspara Inovação: uma Agenda Central para a Reforma Tributária”.

 

Ação 12: Publicação| O marco legal de ciência, tecnologia e inovação dos Estados e do Distrito Federal: situação atual e recomendações

Como parte do esforço de estimular os estados a criarem ou aprimorarem suas legislações de CT&I, a CNI lançou a publicação “O marco legal de ciência, tecnologia e inovação dos Estados edo Distrito Federal: situação atual e recomendações”.

 

Ação 13: Publicação do livro “Inovar é Desenvolver a Indústria do Futuro – 30 casos de Inovação de Pequenas, Médias e Grandes Empresas”

A CNI publicou o livro “Inovar é Desenvolver a Indústria do Futuro – 30 casos de Inovação dePequenas, Médias e Grandes Empresas”, no âmbito do convênio CNI, Sesi, Senai e Sebrae 46/2014. Disponível em português e em inglês, a publicação dá prosseguimento ao esforço das instituições em identificar e divulgar experiências bem-sucedidas e inspiradoras entre as empresas finalistas do Prêmio Nacional de Inovação 2016-2017. Os 30 casos selecionados compõem um variado acervo de organizações de todos os portes, de todas as regiões do país, de capitais a pequenas cidades do interior, de origem nacional e estrangeira. Por meio de práticas inovadoras, as empresas garantiram resultados econômicos e financeiros de impacto. A publicação foi lançada no Seminário “Casos de Inovação da Indústria”, realizado no dia 13 de agosto de 2019, em São Paulo, contando com mais de 200 participantes.

tabela de jogos da copa Mapa do site

1234